quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Professora Elinete sugere:


Amplie seus conhecimentos com boas dicas de leitura. 
Abaixo estão alguns exemplos: 



Diário da Julieta




Diário de Biloca





O diário de Marcos Vinicius



OBS: Temos disponível estes livros na biblioteca 
desta escola

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Tudo sobre produção de texto


Produção de texto. Foto: Gustavo Lourenção

Você - e todos os professores do Ensino Básico - tem um objetivo prioritário: fazer com que os alunos aprendam a produzir bons textos. Por isso, reunimos nesta página o melhor e mais completo material para ajudá-lo a aprimorar o ensino desse conteúdo. Organizado em dez capítulos, preparamos um guia com mais de 120 links para reportagens, vídeos, planos de aula, entrevistas, artigos, citações e portfólios especialmente produzidos por NOVA ESCOLA. Boa leitura!



Acesse o link abaixo e veja a matéria completa.
 
 
 

Sugestão de Aula - Matemática

Multiplicação e progressão geométrica com base no filme 

"A Corrente do Bem".


Introdução

Neste filme, a lógica da multiplicação mostra um lado surpreendente. Instigado por uma atividade sugerida por um professor, cuja intenção era somente fazer as crianças pensar, Trevor, 12 anos, dispara uma corrente do bem. Para participar, bastaria ajudar uma pessoa a fazer algo que ela dificilmente conseguiria sozinha. Com uma única condição: que o favorecido replicasse a boa ação para três pessoas. “Ao viés sensível e filosófico da obra, é possível associar um olhar matemático e propor uma análise numérica da situação”, sugere Priscila Monteiro, consultora pedagógica da Fundação Victor Civita (FVC).

Objetivos
Aproximar-se do conceito de progressão e desenvolver a capacidade de analisar numericamente uma situação.

Conteúdo
Multiplicação e progressão geométrica.

Anos
8º e 9º.

Trechos selecionados
Exiba o filme todo, mas atenha-se à cena em que o garoto Trevor explica, em sala de aula, a sua ideia sobre a corrente do bem aos colegas (33m00s a 35m00s) e ao fim da história (1h53m55s a 2h03m05s).

Atividade
Após a exibição, faça um bate-papo sobre a história e a ideia de Trevor. Pergunte se a situação retratada no filme, em que centenas de pessoas se envolvem em pouco tempo, é matematicamente viável. Proponha então a seguinte brincadeira para a turma: um aluno deverá tocar o braço de dois colegas. Os que foram tocados ficam com um braço levantado e encostam em outros dois alunos, desde que ainda não tenham participado. No fim, converse com a turma sobre a rapidez com que todos participam e pergunte: e se cada um tocasse três em vez de dois colegas? O que mudaria? E se a escola toda fosse envolvida?

Avaliação
Analise as opiniões dos alunos a respeito da pergunta e, em seguida, apresente a lenda do tabuleiro de xadrez contada por Malba Tahan (O Homem que Calculava, 286 págs., Ed. Record, tel. 11/3286-0802, 34,90 reais). Pergunte aos alunos se o rei da história conseguiria atender ao pedido feito pelo brâmane e avalie se eles entenderam o conceito apresentado.


FONTE: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-2/multiplicacao-progressao-geometrica-corrente-bem-639067.shtml

Fala, Mestre! Palavra de quem entende de Educação

Entrevistas com especialistas de diversas áreas da Educação

Beatriz Aisenberg fala sobre leitura em História e Geografia

A pesquisadora argentina afirma que, para formar leitores autônomos, cabe aos professores ouvir o que os alunos entenderam sobre os textos

De um lado, estudantes com dificuldade de interpretação de textos sobre História e Geografia. De outro, mestres que julgam ser a leitura conteúdo das aulas de Língua. Para a pesquisadora argentina Beatriz Aisenberg, docente da Universidade de Buenos Aires e especialista em Didática das Ciências Sociais, esse é um dos grandes problemas a serem enfrentados pela escola. "Ensinar a interpretar é, sim, trabalho dos professores das diferentes disciplinas."

Licenciada em Ciências da Educação, Beatriz investiga a relação da leitura no ensino e na aprendizagem de História há mais de dez anos. Considerada uma das precursoras das investigações em Didática das Ciências Sociais (disciplina que na Argentina inclui conteúdos de História, Geografia e de temas relacionados à política e à economia), ela faz parte de um grupo de pesquisa que procura descobrir quais as condições de trabalho que promovem a aprendizagem de Ciências Sociais. As aulas de educadores voluntários da capital argentina são gravadas e analisadas por especialistas liderados por Beatriz. O foco do trabalho são os polivalentes do nível primário (que lá vai até o 7º ano). Mas ela garante: "Os especialistas podem ajudar ainda mais a garotada a entender os textos de cada área". Nesta entrevista, concedida em seu apartamento, Beatriz explica como fazer isso.

Qual a principal queixa dos professores em relação às atividades de leitura em Geografia e História?


BEATRIZ AISENBERG A de que as crianças não sabem ler e interpretar bem. Porém boa parte dos problemas não tem a ver com a habilidade geral de leitura. As pesquisas psicolinguísticas mostram que essa não é uma competência geral que se aplica a tudo - sei ler uma carta, sei ler qualquer coisa. É um processo complexo entre o leitor e o que ele lê. Isso se acentua ainda mais quando falamos de História, por exemplo. O entendimento de um texto dessa área tem muito a ver com o que o leitor já sabe sobre ela. Se ele não possui um marco de conhecimento, a compreensão se torna muito difícil.

De onde vem a dificuldade dos alunos nas atividades de leitura?

BEATRIZ Por acreditarem na ideia de que ler é uma tarefa fácil, muitos educadores deixam os estudantes sem ajuda nesse momento. Meu grupo de pesquisa busca caracterizar as condições didáticas que permitem oferecer a eles o apoio necessário para que comprendam os textos e aprendam história por meio da leitura. Sem ajuda, é claro que eles têm dificuldade - ora, se soubessem ler, não precisariam ir à aula. Por isso, a escola deve ir progressivamente formando leitores. A autonomia não é algo que se constrói em uma semana. Há muitas intervenções a serem feitas pelo docente para que todos consigam ir compreendendo os textos das diferentes áreas e, com isso, adquirindo mais fluidez e independência nas práticas de leitura.
Continue lendo a entrevista

    FONTE http://revistaescola.abril.com.br/formacao/formacao-continuada/preciso-ensinar-ler-historia-geografia-594441.shtml

                 http://www.google.com.br/imgres

      quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

      Sustentabilidade é tema de concurso de vídeos escolares

      Estudantes de todo o Brasil podem enviar, até 30 de março, vídeos para participar do Concurso Ecovídeo das Escolas, promovido pela TV Escola. As produções podem ter até dois minutos de duração e deverão responder à pergunta: 
       
      Qual é o seu papel na criação de um mundo sustentável?

       
      Os vídeos devem ser inspirados na realidade das comunidades locais e os participantes devem buscar identificar os problemas socioambientais da região e, neste contexto, propor melhorias e soluções sustentáveis. Os vídeos podem ser produzidos por grupos de até quatro integrantes, sendo um, obrigatoriamente, o professor-responsável.

      A página da 4ª Semana do Meio Ambiente da TV Escola na internet divulgará todos os vídeos concorrentes. O concurso premiará aquele mais acessado, que receberá a visita da equipe da TV Escola para uma reportagem especial para a semana. Também será escolhido por um júri especializado o melhor projeto, que ganhará uma viagem ao Rio de Janeiro para a gravação de um programa especial na TV Escola.

      A 4ª Semana do Meio Ambiente da TV Escola irá ao ar de 4 a 8 de junho e terá como foco a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20).

      Conheça o regulamento do concurso

      Fonte: Assessoria de Comunicação do MEC
       
       

      terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

      Tudo sobre meio ambiente

      Tudo sobre meio ambiente. Fotos: Tatiana Cardeal, Dercílio e Google

      O meio ambiente é um tema transversal, que deve ser explorado nas diversas disciplinas. E para orientar você sobre como fazer a gestão da aprendizagem deste assunto tão importante, preparamos este especial. Confira abaixo reportagens e entrevistas sobre como incluir o tema no dia a dia da escola e sequências didáticas para trabalhá-lo em cada etapa de ensino. Boa leitura!

      1. GESTÃO ESCOLAR
      Saiba como incluir o tema do meio ambiente no dia a dia escolar.

      Reportagens

      Conhecer o meio ambiente para interagir com ele
      Reportagem explica o que é Educação socioambiental e traz exemplos de como incluir o tema no dia a dia dos alunos.


      Estruturas e ações para uma escola sustentável
      Reportagem mostra como organizar a escola de modo a aproveitar os recursos naturais de maneira consciente e criar um ambiente acessível.


      Como integrar o projeto arquitetônico da escola com o ambiente

      Reportagem mostra ao gestor como fazer essa integração e explica o que são "escolas verdes".


      Em defesa do planeta
      Reportagem traz histórias de escolas que estão formando cidadãos mais conscientes.

      Falta educação ambiental para quem mais precisa
      Reportagem mostra que os estados amazônicos não levam o ensino sobre meio ambiente à rede pública com a devida qualidade.

      Entrevistas

      Sueli Furlan fala sobre Educação Ambiental nas escolas
      Especialista defende que os gestores experimentem iniciativas, mesmo que pontuais, em busca de uma escola sustentável.

      Neide Nogueira discute a Educação Ambiental no Brasil
      Coordenadora de Temas Transversais dos PCNs avalia a Educação Ambiental nas escolas das redes estaduais.

      2. EDUCAÇÃO INFANTIL
      As questões ligadas ao meio ambiente devem fazer parte da vida escolar desde os primeiros anos. Confira como trabalhar o tema na creche e na pré-escola.
      • CRECHE
      • PRÉ-ESCOLA
      Reportagens 

      Plantando saber
      Reportagem mostra a experiência de uma professora que ensina crianças de 3 anos a fazer uma horta.

      É tempo de brincar lá fora
      Reportagem sobre como explorar o espaço externo com as turmas de creche.

      Planos de aula 

      Planejar a área externa

      Cultivo de uma horta 

      Crianças fazem uma horta

      Reportagens 

      Preservar também é coisa de criança
      Reportagem mostra como falar de Educação Ambiental na pré-escola.

      Terrário para observar o ciclo da água
      Reportagem explica como criar um terrário com os pequenos e levá-los a observar como funciona o ciclo da água.

      Planos de aula
       
      Formigas trabalhadoras
      E os bichos? Será que têm profissões?
      3. ENSINO FUNDAMENTAL
      Confira reportagens e planos de aula para trabalhar as questões ligadas à preservação do meio ambiente com os alunos de 1º a 9º ano.
      • CIÊNCIAS
      • GEOGRAFIA
      • LÍNGUA PORTUGUESA
      • MATEMÁTICA
      Reportagens

      A água é um recurso natural esgotável
      Reportagem fala sobre alternativas para combater a escassez de água no planeta.

      Hábitos de consumo e produção de lixo
      Reportagem mostra como o ritmo alucinado das grandes cidades está fazendo mal ao nosso planeta.

      Olhar o meio ambiente de perto
      Reportagem mostra que o estudo de Ciências envolve incentivo à investigação, estímulo ao questionamento e realização de atividades fora da sala de aula.

      Os perigos do lixo tecnológico
      Reportagem sobre os danos que baterias e pilhas velhas causam ao meio ambiente.


      Estudar o bairro pode mudar o planeta
      Reportagem sobre como trabalhar temas que permeiam o cotidiano do aluno e da comunidade.

      Planos de aula

      Planeta água

      Produção de resíduos

      Lixo é responsabilidade de todos

      Feira de Ciências sobre água

      A importância da água

      Conservação e preservação

      O lixo e o homem

      O homem e o meio ambiente
      Série de planos de aula

      Série sobre água

      Reportagens

      Entenda a matriz energética brasileira
      Reportagem mostra que o conjunto de fontes de energia utilizadas aqui está entre os mais limpos do mundo.

      Os desafios da sustentabilidade em grandes cidades
      Reportagem mostra aos alunos como transformar as metrópoles em locais sustentáveis.

      Um espaço para brincar e aprender
      Reportagem mostra como o pátio da escola pode ajudar na aprendizagem.

      Conhecer o ambiente para viver bem na caatinga
      Reportagem mostra como alunos que vivem no semi-árido nordestino aprendem a reconhecer e a valorizar os recursos naturais do meio ambiente local.

      Projeto "Um rio em minha vida"
      Reportagem mostra o trabalho da professora Maria Helena Klein, ganhadora do Prêmio Victor Civita, Educador Nota 10.


      O verde em perigo
      Reportagem mostra como o desmatamento no Brasil tem desdobramentos sérios, como o empobrecimento da biodiversidade.

      De olho no aquecimento global
      Reportagem fala sobre o efeito estufa e suas consequências, como o aquecimento do planeta, as enchentes, as secas e a poluição.

      O conhecimento que vem do OITI
      Reportagem sobre projeto de rearborização ajuda a entender como o desmatamento interfere no clima.

      O fim da seca?
      Reportagem discute a transposição do Rio São Francisco e analisa o futuro ambiental e social da região Nordeste.

      Planos de aula

      A reciclagem do lixo no Brasil

      Os efeitos do aquecimento global

      Desmatamento no Brasil 

      Bacias hidrográficas: dimensões e usos

      Caminhada pelo entorno da escola

      Ambientes do campo e da cidade: modos de usar

      Séries de planos de aula

      Série sobre energia

      Biomas brasileiros

      Biodiversidade

      4. ENSINO MÉDIO
      FONTE: http://revistaescola.abril.com.br/meio-ambiente/

      Sugestão de Aula - Ciências

      Atividades on-line: Sistemas do Corpo Humano

      Atividades on-line para reforçar conteúdos de Ciências já estudados. Uma forma lúdica, agradável e sobretudo interativa de estudar.









      Aproveite para aprender bastante enquanto se diverte!



      segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

      Reflexão da semana



      Todo dia é dia de semear, de lançar novas sementes no solo da vida.

      Temos a missão de preparar o terreno, semear, irrigar e fazer com que as sementes por nós plantadas deem bons frutos. 

      Como tem sido sua semeadura? 
      Que frutos tens colhido?

      Seja, pois, semeador do bem e da paz!

      Só colhe bons frutos quem lança boas sementes. Se semearmos o bem, colheremos amizade. Se semearmos o perdão, obteremos paz. Se servirmos ao próximo com amor, colheremos felicidade.

      De acordo com nossa semeadura, assim será nossa colheita, por isso, semear amor, bondade, amizade e otimismo é a melhor prática. 

      Plante sementes que dignifiquem a vida e você colherá bons frutos.


      FONTE: http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=2142
                           http://www.google.com.br/imgres
       

      SUGESTÃO DE AULA - Língua Portuguesa

      O e-mail como gênero textual em sala de aula


      Wasley de Jesus Santos
      Professor universitário, pós-graduado em Língua Portuguesa


      Segundo Marcushi (2004), os gêneros textuais são os textos materializados encontrados em nosso cotidiano. Eles apresentam características sociocomunicativas definidas por seu estilo, função, composição, conteúdo e canal. Para a Linguística Textual, os gêneros textuais englobam estes e todos os textos produzidos por usuários de uma língua. Assim, ao lado da crônica e do conto, também identificamos a carta pessoal, a conversa telefônica, o e-mail e tantos outros exemplares de gêneros que circulam em nossa sociedade.
      O e-mail, inclusive, tornou-se um gênero textual altamente utilizado a partir do século XX, precisamente em 1971, com o advento da era digital e do acesso ilimitado de muitas pessoas à rede mundial de computadores. Em princípio, é um sistema de transmissão rápida via internet em que os usuários se comunicam em questão de segundos. O correio eletrônico, ou seja, a página da internet é o suporte e o gênero textual é o e-mail.
      Apesar de apresentar desvantagens, como necessidade de provedor de acesso e certa invasão de privacidade – pois esse gênero circula muito livremente pelo ambiente virtual, podendo ser enviado para o endereço errado, ser copiado e até mesmo alterado –, o e-mail também oferece vantagens que superam os previsíveis prejuízos. Dentre elas, a velocidade de transmissão de informações e a possibilidade de envio da mensagem (ao mesmo tempo) para diversos destinatários.
      Pensando em uma sala de aula, na visão de um projeto coerente e coeso de ensino de língua materna através de gêneros textuais, o e-mail é uma excelente opção para o professor utilizar em sua práxis. Excelente porque esse gênero está a todo o momento à disposição da necessidade sociocomunicativa do aluno e pode ter também aparência muito semelhante à do bilhete ou da carta pessoal, gêneros estes já bastante recorrentes na escola.
      Diante disso, é interessante que o professor compreenda o e-mail como gênero textual; ele tem a estrutura-padrão da carta: vocativo, texto, despedida e assinatura (podendo variar, a depender do grau de formalidade e/ou de quem seja o destinatário). A linguagem varia igualmente conforme a situação estabelecida entre os interlocutores. Seus parágrafos costumam ser curtos, para maior clareza na leitura do texto.
      Portanto, ainda dentro desse projeto de ensino de língua materna, há que se pensar como esse gênero se presta ao ensino de língua, em que contribui e de que necessita para sua efetivação de uso em sala de aula.
      Tendo em vista o trabalho pedagógico das aulas de linguagem com análise linguística (AL) dos mais variados gêneros textuais, o e-mail propicia um leque de pontos a serem analisados e discutidos pelos alunos e pelo professor. A avaliação dessas produções abandona os critérios quase exclusivamente literários ou puramente gramaticais e desloca seu foco para outro ponto: o bom texto não é aquele que apresenta (ou só apresenta) características literárias, mas aquele que é adequado à situação comunicacional para a qual foi produzido. Ou seja, se a escolha do gênero, a estrutura, o conteúdo, o estilo e o nível de língua estão adequados ao interlocutor e podem cumprir a finalidade do texto.
      A aplicabilidade seria viável: apenas como sugestão de trabalho, o professor, ao tomar o e-mail como gênero textual nas aulas de língua, poderia solicitar aos alunos que escrevessem, por exemplo, um e-mail para uma autoridade da sua cidade, convidando-a para um dado evento da escola. Depois, que outro e-mail fosse elaborado para um amigo íntimo, informando-o de que tal dia não haverá aula e por qual motivo.
      Ao avaliar a produção de texto do gênero e-mail, o professor atenta para que sejam observadas pelos alunos as diferenças básicas de cada e-mail-texto produzido, comparando a linguagem usada e as diferenças quanto ao conteúdo e à finalidade. Só muito depois, muito depois de que fossem discutidas, compreendidas e apreendidas as questões concernentes à funcionalidade desse gênero, o professor faria revisões e reescritas, quantas vezes precisar, para adequar a estrutura sintático-semântica das frases, os fatores de coerência, os mecanismos de coesão do texto, o vocabulário adotado etc.
      O trabalho de AL, assim, ganharia mais espaço de maneira lógica e didática. As aulas de língua não seriam mais preenchidas com listas de verbos, muito menos com produções textuais desconexas à realidade de mundo do aluno. Seria, portanto, cumprir a bitransitividade do verbo dizer: ensinar o que dizer e como dizê-lo a alguém.

      Referências

      MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, p. 13-67.
      PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. E-mail: um novo gênero textual. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004, p. 68-90.


      FONTE: http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/portugues/0033.html

      Contos


      Confira mais de 60 contos de autores consagrados escritos para crianças, jovens e adultos e publicados em NOVA ESCOLA. Boa leitura!

      1 Crianças e adolescentes


      Continue lendo
      Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/leitura-literaria/era-uma-vez-contos.shtml

      Fonte/imagem: http://2.bp.blogspot.com/-6IsOIPGNHoE/Th4gcIBdoMI/AAAAAAAADCw/MO1cRIX6cuI/s718/Capa%2BBlog%2Bcopy.jpg

      Sugestão de Aula - Educação Física




      É um livro que atende às novas exigências da Pedagogia Educacional. Não basta simplesmente brincar, recrear, é necessário uma direção. Por isso este livro será de grande interesse e utilidade para professores, agentes comunitários, enfim, a todos aqueles que trabalham com crianças, relações humanas, dinâmicas de grupo e educação física.




      FONTE http://www.livrariaresposta.com.br/v2/produto.php?id=95911&origem=1


      BIBLIOTECA: PAULO FREIRE



               OBS: Temos disponível este livro na Biblioteca.

      sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

      Como manter seu corpo hidratado durente o verão?


      Durante o verão, com o aumento da temperatura torna-se importante um cuidado maior com a hidratação do corpo, uma vez que as perdas de água pelo organismo tornam-se maiores. A desidratação, tão comum nesse período do ano, pode ser evitada com boa alimentação e ingestão de líquidos.

      Em condições normais, o organismo de uma pessoa adulta perde em média 2 litros por dia, considerando as perdas pelo suor, urina e fezes. Portanto, é necessária a reposição diária de 2 litros de água, considerando-se toda a água ingerida pura ou na forma de alimentos, tanto líquidos quanto sólidos.

      Ao contrário do que se pensa, não são apenas os alimentos na forma líquida os que hidratam o organismo. Existe água em todos os alimentos, sendo que em alguns as concentrações são bastante altas.

      Nas perdas provocadas pelo suor, além da água perdem-se também sais minerais — principalmente sódio, o qual necessita ser reposto. Por isso, um suco de frutas, como limonada, com uma pitada de sal é um excelente reidratante. As chamadas bebidas isotônicas também seguem esse princípio. A água de coco é um isotônico natural, com quantidades equilibradas de sais e água.

      Quando as perdas de água tornam-se maiores do que a reposição, o organismo entra em processo de desidratação, o que é extremamente perigoso e, em casos extremos, pode ser fatal. A água é essencial em todos os processos metabólicos vitais para o organismo. Para tirarmos energia dos alimentos que comemos e, consequentemente, nos mantermos vivos, é necessário haver água.

      Formas de Hidratação

       

      Água

      É de vital importante para a nossa saúde, pois mantêm o organismo em equilíbrio. Além de manter o organismo hidratado, a água ajuda-nos a digerir e absorver alimentos com mais facilidade. A água também diminui a densidade do sangue, ajuda a desinchar o corpo, regula a temperatura, reduz infecções, evita a celulite e desintoxica.

      Água de Coco

      Além de refrescante e deliciosa, é rica em sais minerais e nutrientes. Em 100 ml apresenta cerca de 250 mg de potássio (a porcentagem total das necessidades diárias) e 105 mg de sódio (metade do valor recomendado por dia), além de boas doses de cálcio, magnésio e vitamina C. Por isso, é considerada um isotônico natural, ideal para repor os líquidos e os sais perdidos através do suor durante a prática de atividades físicas.

      Melancia

      Além de pouco calórica, a melancia é diurética, dá ânimo e previne problemas cardiovasculares. Composta por 90% de água, também refresca, hidrata o corpo e — o mais gostoso de tudo — não engorda. Ainda fornece vitamina C, carboidratos e potássio. Sem contar que a cor denuncia a presença de licopeno, substância festejada pela ação antioxidante e preventiva contra câncer.

      Pepino

      O pepino é predominantemente formado por água. A água do pepino ajuda no controle da temperatura do corpo e nos processos orgânicos, oferecendo nutrientes para as células e eliminando delas suas impurezas. É um excelente mineralizante (tem fósforo, potássio, cálcio e enxofre). Combinado com outros legumes ou frutas rende ótimas saladas e sucos para o tratamento de gota.

      Bebidas Isotônicas

      As bebidas isotônicas foram desenvolvidas para repor líquidos e sais minerais perdidos pelo suor durante a transpiração, com efeito de prevenir a desidratação e melhorar o desempenho esportivo.

      Sucos de Frutas

      A hidratação à base de sucos frescos de frutas e hortaliças oferece ao nosso corpo grande parte das vitaminas, sais minerais, aminoácidos e enzimas. Fruta, verdura ou legume, independentemente da receita da bebida, a água é presença constante. O líquido é essencial para manter as funções vitais do organismo, pois participa de todos os processos metabólicos.

      Chás Gelados

      Para ter sabor e saúde mesmo no verão, uma alternativa é optar pelos chás gelados. Eles têm todos os benefícios da bebida quente e, ainda, uma dose extra de refrescância. Para hidratar, a pedida é o chá verde que também é antioxidante, aumenta a energia e ajuda a queimar gordura.

      Sorvete

      Os picolés de fruta podem ser uma forma de matar a sede em momentos de emergência, principalmente em dias muito quentes. Prefira os picolés com pouca quantidade de açúcar e que não tenham leite em sua composição.  Para quem não está preocupado em emagrecer, incluir um picolé na alimentação diária é totalmente viável. As crianças, por exemplo, podem comer um sorvete de frutas no lanche todo dia se as outras refeições forem equilibradas. Outra opção é comer o sorvete juntamente com frutas: além de alimentar, mantém seu corpo bem hidratado.

      Fonte: http://belezaesaude.dae.com.br/corpo-hidratado-verao/

      Tradução de Música


       

        Utilizando o Laboratório de Informática Educativa


      Professora: Sabrina 

      Disciplina: Inglês

      Turma: 1002 FG





      Acesse o link abaixo e visualize a letra da música.

      Dicas para um melhor aproveitamento das aulas




      O professor é importante para a aprendizagem dos alunos na orientação dos caminhos que estes devem percorrer para atingirem o conhecimento. No entanto, somente o papel do professor neste processo não é suficiente, se faz necessário que o aluno dê sua contribuição. Se em uma sala ninguém tem interesse e não aproveita o que o educador tem a oferecer, este profissional também não terá motivação.
      Cabe, então, ao aluno, aproveitar o máximo possível o que seu professor pode lhe oferecer. A seguir, algumas dicas de como tornar o tempo na escola mais proveitoso:

      Educadores

      Primeiramente, é muito importante que o aluno tenha determinação e vontade para tornar as aulas mais atrativas e produtivas. É de suma importância que os alunos estejam ligados nas aulas, participando, questionando, realizando as atividades propostas pelo educador.

      Relacione conteúdos antigos com os atuais, estabelecendo comparações entre algo que o aluno tenha lido ou escutado com aquilo que você esteja explicando.

      Alunos

      Se atente para a explicação do professor, muitas vezes uma aula bem absorvida pelo aluno pode representar um menor tempo de estudo em casa.

      Seja ousado, questione, faça perguntas, construa opiniões e sempre que puder, compartilhe.Seja crítico, busque a verdade. Nunca se preocupe com o que os colegas falem ou pensem. Caso ache melhor, espere a aula terminar ou chame-o até a sua carteira e converse com o professor, expondo para ele seus questionamentos, idéias, críticas e sugestões.

      Em casa, sempre que possível, recapitule os conteúdos das aulas dadas, mesmo que não seja época de prova. Isso permitirá a construção do conhecimento, que levará a uma compreensão abrangente dos conteúdos e não somente memorização momentânea.

      Por Eduardo de Freitas
      Equipe Brasil Escola

      FONTE http://educador.brasilescola.com/sugestoes-pais-professores/dicas-para-um-melhor-aproveitamento-das-aulas.htm

      Um mundo pela frente!



      Este espaço - Mochila nas Costas - tem por objetivo conhecer o Homem e suas relações com o Planeta que habita.

      Ele deve estabelecer relações dinâmicas com a natureza de forma social, afetiva, política, cultural e ecológica. Para tal, deve parar em certos locais para encher sua mochila de conhecimentos que serão utilizados ao longo de sua viagem ou ao término de cada percurso.

      Viaje nestas postagens e seja um agente construtor e preservador do seu habitat para melhorar a qualidade de vida da terra!


      ---------------------------------------------------------------------------

      Mochila nas Costas - Arraial do Cabo/RJ

      Arraial do Cabo reúne algumas das mais belas características do litoral brasileiro,como dunas de areia branca, vegetação de restinga, lagoas e praias de mar cristalino, além de costões que funcionam como mirantes para apreciar tudo isso. E ainda tem mais: embora localizada na Região dos Lagos e tendo como vizinhas as badaladas Cabo Frio e Búzios, a cidade mantém características típicas de uma vila de pescadores - até mesmo na alta temporada os ares de tranquilidade imperam.
      Passeios de barco levam à ilha do Farol, considerada uma das mais belas do país.

      Quem agradece são os mergulhadores, que lá encontram os melhores pontos do país para praticar o esporte. Além das águas transparentes, Arraial do Cabo abriga uma diversificada vida marinha - são tartarugas, meros, lulas, lagostas, arraias e até golfinhos que vivem em harmonia nas ilhas do Farol e dos Porcos, nos sacos do Cherne e do Cordeiro, na praia do Forno, na Ponta d'Água e na Gruta Azul.

      Pontal: Águas calmas e transparentes fazem da região o paraíso dos mergulhadores - Foto: Prefeitura de Arraial do Cabo   
      Além das belezas naturais, a cidade é atraente também quanto o assunto é preço - dos restaurantes às pousadas, as tarifas são bem mais em conta que as praticadas  nos arredores. Em Arraial não há estabelecimentos luxuosos, mas encontra-se muito conforto e os pratos de frutos do mar mais frescos da região. Os passeios de barco, imperdíveis e que apresentam paisagens encantadoras e com direito a parada na praia do Farol, uma das mais bonitas do Brasil, também têm valor acessível. Sem contar que, assistir ao pôr do sol no Pontal do Atalaia, um dos programas obrigatório, é de graça!

      Descubra as atrações e informações de Arraial do Cabo